2 grandes impactos que você deve considerar ao tomar antidepressivos


1- Antidepressivo poderá te deixar de mãos atadasantidepressivos

Está na essência do nosso cérebro, gostar de desafios e expandir cada vez mais nossos conhecimentos. Isso é aplicado também em busca dos nossos ideais, e sair da depressão pode ser uma meta ou um desafio para você atingir, que foi o que eu fiz para sair sozinho e sem remédios dessa triste doença.

Infelizmente a maioria das pessoas que tomam antidepressivos, costumam jogar toda responsabilidade no remédio para sair da depressão, e esquece que se ela não encarar de frente o desafio da cura, o remédio não vai conseguir fazer o efeito desejado. Como diz um médico amigo meu dr Ícaro Alves Alcântara: “Anti depressivos não são solução pra depressão de ninguém, podem até ajudar, mas não cura”.

Devemos acima de tudo determinar que NÓS temos o poder da cura e só usaremos o remédio como um empurrãozinho. A partir daí estaremos desatando as mãos do nosso poderoso cérebro, para que ele nos ajude a tomar as devidas providências de cura, e não ficar apostando todas as fichas no medicamento. Afinal nosso cérebro tem o poder da cura e isso é provado pela ciência.

2- Antidepressivo poderá chegar ao ponto de não mais fazer efeito.

Como consta em várias pesquisas sobre esta medicação, eles amenizam na maioria dos casos os sintomas da doença, mas quando não associado a uma boa terapia como coadjuvante, os resultados não são satisfatórios.

O organismo acaba se acostumando com a droga, que resulta no reaparecimento dos sintomas antes amenizados pelo antidepressivo. Muitos acabam ficando frustados e isso acontece porque remédios são para remediar e não para curar.

Ao me sentir totalmente curado pela depressão, ouvi um comentário de uma amiga minha, atualmente com a doença em nível de até pensar em suicídio, dizendo-me que não conseguia mais ficar sem o remédio. Infelizmente ela faz como muitos que apostam tudo nos antidepressivos e essa cura nunca vem. Apesar de sentir-se aliviada psicologicamente ao tomar os remédios, vive se lamentando que a depressão não a deixa.

Pesquisadores afirmam que antidepressivos sem terapia não tem efeito algum. Entendendo-se assim que mesmo que o paciente sinta melhoras nos sintomas, significa que a doença esta anestesiada dentro da pessoa, que com o acompanhamento de um terapeuta, acaba chegando na raiz dos sintoma depressivo e assim facilita a cura verdadeira.

Depressão é uma doença da mente, e ironicamente a própria doença tem o poder da autocura.

 

 

 

email

2 Comentários

  1. Sandra da Rocha

    Boa tarde
    Lido com a depressão faz 17 anos, procurei profissionais com terpia e psquiatras.
    Tomo medicação e cai em crise profunda três vezes, que levam em torno de um ano e meio para retornar ao estado normal. Com pouco apoio de família e muito complicado, precisamos ser fortes para sair da doença.
    Hoje com toda a experiência e bagagem de tratamentos que passei com psicólogos e psiquiatras, percebi que ha profissionais e profissionais, aplicação de métodos e medicações errados.
    Este fato gera muitos sofrimentos ao pasciente, atrazos na cura da doença que poderiam ser desnecessários na vida dos que tem a depressão.
    Peço que os profissionais desta área poderiam ter mais responsabilidade, mais empenho, cuidado nos tratamentos e perante o ser humano.
    Estamos passando por crise de depressão mundial que reflete na soiedade como um todo.

    Responder

    1. Palavras muito sábias Sandra, parabéns! Estou totalmente curado sem tomar um único comprimido, enquanto várias pesquisas apontam que antidepressivos não curam sem terapia. Infelizmente a indústria farmacêutica vive da miséria dos brasileiros, inclusive dr Lair Ribeiro tem travado uma briga constante sobre esse assunto. Foi pensando exatamente igual a você que fiz esse blog e tento ajudar pessoas com depressão que infelizmente ficam a deriva diante dessa indústria. Acredito que remédios quando bem administrados podem sim auxiliar na cura de qualquer doença, mas a verdadeira cura está unicamente dentro de cada um. PESQUISA CITADA

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *